Cultura

Desenhos de pacientes da Casai serão expostos no Centro de Medicina Indígena

11/07/2017 02:02

A atividade foi desenvolvida pela psicóloga Daniele Michiles para promover o bem viver entre os índios internados (Foto: Arquivo pessoal)

 

O Barserikowi’i – Centro de Medicina Indígena recebe na próxima sexta-feira, dia 14 de julho, uma exposição de desenhos feitos por 20 indígenas, sendo a maioria mulheres, que estão em tratamento de saúde na Casa de Saúde do Índio (Casai), em Manaus. A exposição “Bem Viver na Casai Manaus – A arte como forma de cuidado”, será aberta a partir de 17h. Haverá apresentação de danças indígenas e um show do cantor Marcelo Nakamura. A programação também terá culinária indígena.

Os desenhos são resultado de uma oficina realizada na semana passada pelo artista plástico Diego Batista na Casai, que fica na rodovia AM-010, zona rural de Manaus. Os pacientes que participam da exposição são das etnias Marubo, Sateré-Mawé, Tenharim, Tikuna, Mura, Dessana, Tukano, Tariano e Arapasso.

A psicóloga Daniele Michiles é a idealizadora e organizadora da exposição. Ela disse que a técnica utilizada nos desenhos é a stencil e serigrafia em algodão cru. Os pacientes participaram de uma oficina com o professor Diego Batista.

Daniele trabalha na Casai há seis anos e decidiu realizar uma atividade terapêutica que ocupasse o tempo ocioso dos indígenas que estão em tratamento, longe de sua comunidade. Daí surgiu a ideia de fazer os desenhos.

“Na saúde indígena nós temos o programa de saúde mental. Dentro desse programa, a gente procura fazer atividades para promover o bem viver na Casai, tendo em vista que eles têm um tempo muito ocioso. Uma atividade como esta ajuda a diminuir o sofrimento deles e incentiva a recuperação”, disse a psicológica.

As mulheres são a maioria na exposição dos desenhos (Foto: Daniele Michiles)

As mulheres são a maioria na exposição dos desenhos (Foto: Daniele Michiles)

Conforme a psicóloga, atualmente há cerca de 380 indígenas hospedados na Casai de Manaus. Muitos deles moram no local devido a gravidade da doença. É o caso de pacientes que fazem hemodiálise.

“A atividade ajuda na recuperação dos pacientes. Eles ficam muito tempo na Casai. Sofrem com a doença, estão longe da família e ficam preocupados com os filhos. Como eles saem, o risco é que eles passem a beber”.

Segundo Daniele, a intenção de se realizar a exposição “Bem Viver na Casai Manaus – A arte como forma de cuidado” é mostrar o resultado da oficina com os indígenas e promover o diálogo intercultural com os-não indígenas de Manaus.

“No dia da exposição, todos os autores dos desenhos estarão presentes. Os trabalhos expostos poderão ser comprados”, disse Daniele. Entre os temas das pinturas estão grafismos indígenas e imagens do cotidiano.

O Bahserikowi´i – Centro de Medicina Indígena da Amazônia, foi aberto no dia 6 de junho no centro histórico de Manaus. O projeto foi idealizado pelo antropólogo João Paulo Barreto, indígena Tukano do Alto Rio Negro.  O objetivo é fortalecer a identidade étnica, cultural e a organização social dos povos originários, além de ser uma fonte de renda para as famílias e comunidades. 

A exposição “Bem Viver na Casai Manaus – A arte como forma de cuidado”, será aberta dia 14 de julho (Foto: Daniele Michiles)

A exposição “Bem Viver na Casai Manaus – A arte como forma de cuidado”, será aberta dia 14 de julho (Foto: Daniele Michiles)

 

O que é?

Exposição “Bem Viver na Casai Manaus – A arte como forma de cuidado”.

Local: BAHSERIKOWI´I – Centro de Medicina Indígena da Amazônia

Rua Bernardo Ramos, no. 97, Centro de Manaus (próximo ao Paço Municipal).

 

Informações:

João Paulo Barreto: (92) 99271-7500 

Ivan Barreto: (92) 98223-5531

Horário: a partir de 17h.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »