Povos Indígenas

Laboratórios dos Estados Unidos devolvem amostras de sangue ao povo Yanomami

Por Kátia Brasil Publicado em: 29/03/2015 às 16:56
Laboratórios dos Estados Unidos devolvem amostras de sangue ao povo Yanomami
Kátia
Kátia Brasil

Kátia Brasil é jornalista formada pela Faculdade de Comunicação e Turismo Hélio Alonso, no Rio de Janeiro, em 1990. Tem experiência em jornal, rádio, e TV em pautas investigativas de política, economia, direitos humanos e meio ambiente. Em março de 1990 mudou-se para a Amazônia. Em Roraima trabalhou nos jornais O Estado de Roraima e A Gazeta de Roraima, TV Educativa, e no O Globo. No Amazonas, onde reside, trabalhou no Amazonas Em Tempo, TV Cultura, O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo Entre os prêmios que ganhou está o Esso de Jornalismo Região Norte com reportagem “Bandeira do Brasil Hasteada na Fronteira”, publicada pelo jornal A Gazeta de Roraima. É cofundadora e editora-executiva da agência Amazônia Real. ([email protected]/[email protected])

3 Comentários

  1. Adelaide disse:

    Depois de tanto tempo…somente agora o Laboratório devolve esse material…sabe-selá o que já fizeram com esse material antes de devolvê-lo? Por que não evitaram essa coleta? Por que deixam pessoas estranhas entrarem em território brasileiro sem qualquer fiscalização mais intensa?

  2. Guilherme Carrano disse:

    Importante seja tornado público os nomes dos Laboratórios e Universidades que praticaram essa biopirataria. Para que todos conheçam, em nome da CIDADANIA. Não há motivo maior para o Ministério Público deixar de dar publicidade aos nomes.

    • Paulo Mahon disse:

      Adelaide, por uma razão muito simples: De 1967 a 1970, o Brasil passava pelo seu pior momento:Estava instalada a Ditadura Militar, com o apoio dos empresários brasileiros e estrangeiros, Precisa dizer mais alguma coisa? Forte abraço!

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.