×
Autor

Luis Fernando Novoa Garzon

Ao longo dos últimos 50 anos, a região amazônica, em sua porção brasileira, foi sendo acossada por dinâmicas de incorporação compulsória, seja de caráter governamental-geopolítico,  seja de caráter governamental-empresarial, seja de caráter não-governamental e multilateral, como pode ser exemplificado a seguir. Essas dinâmicas invariavelmente desprezaram encadeamentos econômicos intrarregionais duradouros,  pouco se comprometeram com a singularidade […]

30/09/2019 20:54

Assim como o desmatamento da Amazônia mantém relação direta com o stress hídrico nas metrópoles do sudeste, a conversão compulsória da região amazônica em um portfólio de commodities tem relação direta com a desindustrialização do país, ou seja, com o aprofundamento de seu perfil produtivo regressivo. Quanto maior simplificação produtiva e territorial, tanto maior o […]

07/08/2019 17:53

Os contorcionismos conceituais [1] praticados para não nominar convencionalmente os reservatórios das chamadas Usinas a fio d’água na Amazônia desconsideram deliberadamente prognósticos técnicos sobre os efeitos de sedimentação e de remanso. A mitologia cientificizada de que os trechos a montante dessas hidrelétricas diferenciadas se transformariam em um “pool” com vazões hídricas e dinâmicas sedimentológicas muito […]

21/07/2019 23:46

Quem tem medo do licenciamento ambiental brasileiro, particularmente na Amazônia? Por que será que grandes empreendimentos relutam em aceitar avaliações sistemáticas de seus efeitos sociais e ambientais, a partir de critérios previamente acordados? Não é difícil de entender que investimentos concebidos e embalados para produzirem tão somente lucros extraordinários para controladores e coligados procurem se […]

10/07/2019 00:37

Carregar mais
Translate »