Cultura

A história do boto cor-de-rosa: origem das plantas cultivadas

08/10/2015 17:28

Há muito tempo atrás, vivia numa praia uma família Paumari.

 

Um dia, pela manhã, o pai de família disse para a sua esposa:

– Meu bem, vou levar as crianças para pescar.

Então, eles foram. Atravessaram o rio e subiram para a terra.

Foram andando pela beira do igarapé. De repente, o filho ouviu um chamado estranho:

– Vocês que são gente, venham me socorrer! Estou no seco, não quero morrer!

Então, o menino falou para o pai:

– Pai, vamos lá ver a pessoa que está nos chamando? Vamos ver o que ela quer?

– Não, é só um boto que está no igarapé, não é gente não.

– Pai, mas eu estou ouvindo o que ele quer : “vocês que são gente, me levem até o rio. Em troca, eu darei algo que vocês não têm”.

Foi isso que o boto falou, disse o menino ao pai.

– Então vamos lá ajudar o boto, disse o pai.

Desceram para o igarapé e, ao chegar ,viram um boto cor-de-rosa. O pai perguntou ao filho:

– Como podemos pegá-lo?

– Ele disse que podemos pegá-lo pelas nadadeiras.

Então, arrastaram o boto pelas nadadeiras por dentro do igarapé, na direção do rio.

ILHA DA ONCA  ILUSTRACAO PALMARI (02)

O boto ajudava empurrando com a cauda. Ele disse ao menino:

– Joga água por cima de mim, estou morrendo. Preciso que joguem água no meu corpo todo.

Depois que molharam o boto, continuaram arrastando ele.

– Não agüento mais meu peso, disse o boto. Vou descansar um pouco, enquanto isso, continuem jogando água em mim. Não me abandonem, vou ajudar vocês também com algo que vocês não têm.

Então, continuaram a arrastá-lo. Chegaram na beira do rio e devagarinho arrastaram ele até a água. Soltaram ele.

O boto falou para o menino:

– Amanhã quero que voltem aqui novamente. Vou trazer um presente para vocês. Coisas que vocês ainda não têm.

No dia seguinte, voltaram para aquele mesmo lugar. Ao chegar, o boto já estava com tudo o que tinha prometido. Todos os tipos de plantas cultivadas. Ele disse:

– Essas plantas se chamam: mandioca, melancia, melão, macaxeira, batata, cará, inhame, cará-moela, milho, jerimum, madeira para fogo, taquara de flecha, caju, goiaba, ingá, mamão, cana, abacaxi, manga, banana, cubiu, abacate e muitas outras verduras e frutas.

ILHA DA ONCA  ILUSTRACAO PALMARI

Ele acrescentou:

– Levem todas essas plantas para que as novas gerações as façam frutificar. Para que os Paumari possam cultivá-las e viver delas.

Essa foi a história do boto cor-de-rosa.

 

* Esta foi a história vencedora do Segundo Campeonato na Língua Paumari, ocorrido em setembro de 2015, no Amazonas. A história foi contada pelo grupo Jirikavahari, da aldeia Ilha da Onça. 

Tradução: Edilson Makokoa Paumari, Timóteo Bajara Paumari e Oiara Bonilla

 

Abaixo, a história narrada na língua Paumari

 

´Basori Varani Hini

 

“Hari oniaroa vahojaha adani Pamoari kaasia.

 Vagavagani bini´a´ihi ida kidigamo:

 ¨ – Ima´ihi, akabaisana haki hari kodisai khama¨.

Hari avakakafiani´aha.

Vigaimori´aha. Vaha vadinia vadahajavaraha´aha adani Pamoari kidisai khama. Kidisai bikamitha´ihi ida ‘basori athini pamoaninakari hora vaakodiaha:

– Oaka forakiho ni-onofiki ida oabinina!

Hari kidiabi´i-ra ni´aha:

– Bi´i anavanavanahava ida haria baranahaki nahina mani ida binofiki?

– Iniani, ‘basori oni vaha kania hojaja. Ija´ari hirihi oni.

– Bi´i okamithaki ida binofiki.

– Pamoaninakari vainia kania hora avavikharafoni. A´oni-ra ono´aki banaho ida nahina avava hojariki.

– Niki ida kidikanikhari hora ni´avini. Hiabana khama aakodiva oni ‘basori!

Avikharafonina, avakhanona vani vanoki´ihi ida ‘basori. Kidiabi´i binana´dohi´aha ada kidisai:

– Hanaja koda agathiki oni ‘basori?

– Hora ni´avini, vadinia agathivini.

Hari oniaroa varahoka´ihi ida ‘basori itavaha bodinia jaboni abononi kakoodiavini miinia.

‘Basoria bini´a´aha ada isai:

– Horavakapaha oabinihakiho onofiki ida oabono hahavi-ra avakapahapahavini.

Vanaa ´bavini naothinia vava´ajihi´ianahi ida ‘basori.

– Ni-okabokajanaki ida okhanana, ‘basori  bini´aha ada pamoaninakari. 

– Oabono oanakoirikiho jaboni onofiki ida hora avakapahapahavini afo´iana. Hari´a hora vanahojaha, a´onira oakodiakiho jaboni. Nahina avakainamokia.

Hari oniaroa vava´ajihi ianahi, vaini vadinia avavakhano´ihi vajaforia avarahokafoni´ihi paha bodinia, avisafafoni´ihi ida ‘basori.

‘Basoria bini´a´aha ada isai:

– Afokajoma onofiki ida hida avakakhani afo´iani.

– Ovikhaki bana ida a´oni-ra okanava´igavini, nahina avava hojariki.

Mahi hoariha avakakha´ianaha ‘basori bivahojaki kania. Avakakhano´aha ‘basoria bivahojamani´ihi ida bini aki, rakhajahi ahoarihaoniki. ‘Basoria bini´aha ada isai :

– Hihida rakhajahi onini boda, barasia, melao, simaka, sipari, adaki, irori, bava´i, jaro´oa,joroma, ravikorahi, abiha, ibanari, kaira, kojobi, mamao, kana, anana, sipatihi, nahina hoariha ida va´ora no´avini hiki.

‘Basoria va´ora ni´aha: 

– Avavikha bana hida a´onira okavikhavini mahija, vavikharonisiagaki avanaipohija kaimoni. Mahija pamoaninakari vavahojavini.

Hari ida vani basori varani hini.”

 

Saiba mais sobre o Campeonato aqui: “Nossa língua é linda, e ela está viva!”

 

Notícias relacionadas

Comentários

  1. Evandro César Tavares da SIlva disse:

    A estória é encantadora, porém, fico triste que depois de 1982, quando o Jacques Cousteau, passou por aqui MUDOU O NOME DO BOTO VERMELHO. Daquele momento à diante, a maioria das pessoas, principalmente, as crianças, e jovens, influenciadas pelo bombardeio da mídia esqueceram o nome do BOTO VERMELHO, os mais velhos continuaram a chamá-lo com o seu verdadeiro nome, eu tinha 16 anos e não fui influenciado pela mídia, porém, daquele dia até hoje (12.03.2016), o NOSSO BOTO VERMELHO, CLAREOU, FICOU SEM A COR MAIS ESCURA.

    Será que NOSSO BOTO VERMELHO, SE TORNOU; EUROPEU?? Deixou de CABOCLO, OU COMO CHAMAMOS AQUI; “caboco” DE PELE ESCURA? ? ? ?

    Até hoje, me soa, estranho essa nova denominação, para mim, continua nova.

    Vamos valorizar Nossa Cultura,

    Certo?? Vamos ser; AMAZÔNIA REAL ! ! ! ! ! !

    Fraternalmente,

    Evandro César Tavares da Silva

    Caboclo “Caboco” Amazonense.

    P.S.: Claro, que temos MISCIGENAÇÃO, mas, manter a Cultura Nativa, é Maravilhoso.

  2. Que beleza ! Sou professora universitária e dou aula de Cultura Brasileira. Levarei a história para contar na sala de aula.
    Obrigada e Parabéns !

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »