A história do boto cor-de-rosa: origem das plantas cultivadas

| 08/10/2015 às 17:28

RELACIONADAS

 

Comentários

  1. Evandro César Tavares da SIlva disse:

    A estória é encantadora, porém, fico triste que depois de 1982, quando o Jacques Cousteau, passou por aqui MUDOU O NOME DO BOTO VERMELHO. Daquele momento à diante, a maioria das pessoas, principalmente, as crianças, e jovens, influenciadas pelo bombardeio da mídia esqueceram o nome do BOTO VERMELHO, os mais velhos continuaram a chamá-lo com o seu verdadeiro nome, eu tinha 16 anos e não fui influenciado pela mídia, porém, daquele dia até hoje (12.03.2016), o NOSSO BOTO VERMELHO, CLAREOU, FICOU SEM A COR MAIS ESCURA.

    Será que NOSSO BOTO VERMELHO, SE TORNOU; EUROPEU?? Deixou de CABOCLO, OU COMO CHAMAMOS AQUI; “caboco” DE PELE ESCURA? ? ? ?

    Até hoje, me soa, estranho essa nova denominação, para mim, continua nova.

    Vamos valorizar Nossa Cultura,

    Certo?? Vamos ser; AMAZÔNIA REAL ! ! ! ! ! !

    Fraternalmente,

    Evandro César Tavares da Silva

    Caboclo “Caboco” Amazonense.

    P.S.: Claro, que temos MISCIGENAÇÃO, mas, manter a Cultura Nativa, é Maravilhoso.

  2. Que beleza ! Sou professora universitária e dou aula de Cultura Brasileira. Levarei a história para contar na sala de aula.
    Obrigada e Parabéns !

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »