Foto&Video Realidade

Fumaça de queimadas encobre Manaus

A Arena da Amazônia encoberta pela fumaça em Manaus (Foto:Alberto César Araújo)
01/10/2015 18:13

Nesta quinta-feira (1º. de outubro) Manaus, com cerca de 2 milhões de habitantes, amanheceu sob uma forte névoa por consequência das queimadas e incêndios florestais, o que compromete a qualidade do ar.  Esta mesma situação já aconteceu nos anos de 2014, 2010 e 2009, quando foram registradas secas grandes nos rios Negro e Solimões.

Segundo o major Clóvis Junior, as queimadas se agravaram devido a temperatura alta e a estiagem de chuvas. Os ventos espalham o fogo, aumentando a fumaça, diz.

“A população tem a cultura de limpar o terreno e tocar fogo nas folhas e lixo, isso provoca os incêndios e a fumaça”, disse o chefe de Operações do Corpo de Bombeiros.

Apesar do fogo apagado pelos bombeiros em vários pontos de Manaus, o pesquisador do Inpe Alberto Setzer, coordenador do Programa de Monitoramento de Queimadas/Incêndios, disse que a capital regista sim o maior índice de fumaça no Amazonas, mas a grande parte dela vem dos municípios vizinhos.

“Em relação a Manaus, o que se vê é que as queimadas estão concentradas a leste, ao sul e a oeste de Manaus. O município em si não está com muito problema (de queimadas/incêndios florestais). São os vizinhos que estão com essa situação. São eles, Careiro, Manacapuru e Careiro da Várzea”, disse o pesquisador.

As operações de pouso e decolagem no aerporto internacional Eduardo Ribeiro não foram suspensas, segundo a Infraero. Mas os pilotos de avião alertaram os passageiros sobre o clima em Manaus, apurou a Amazônia Real.

 

Veja a galeria:

 

Fotografia de Alberto César Araújo

Picture 1 of 17

Avenida Mário Ypiranga, zona centro-sul

 

Segundo o  pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Antônio Manzi, um dos coordenadores  do projeto teuto-brasileiro Observatório da Torre Alta na Amazônia (ATTO), as queimadas no entorno de Manaus são facilitadas pelo tempo seco e quente dessa época do ano.

Ele disse que durante à noite a superfície emite mais radiação do que recebe da atmosfera, que se resfria de baixo para cima. O ar mais frio e denso fica embaixo e o ar mais quente e menos denso fica por cima. Esse processo, diz o pesquisador, cria uma camada de inversão térmica noturna que dificulta o transporte de ar, fumaça e poluição da superfície para a atmosfera mais alta.

Nessas condições, conforme Antônio Manzi, a fumaça produzida nas queimadas fica presa na parte de baixo da atmosfera e o vento a transporta horizontalmente, neste caso trazendo para Manaus, que amanheceu com a névoa de fumaça das queimadas. Por volta das 11 horas da manhã o pesquisador disse que “a fumaça já não é mais visível”.

Mas não foi o que aconteceu na cidade nesta quinta-feira (01/10). Em vários pontos de Manaus a fumaça permaneceu, foi que o constatou a reportagem.

Antônio Manzi, no entanto, confirma que se queimadas continuarem e os ventos noturnos forem favoráveis, outros episódios como esse acontecerão em Manaus.

 

Leia a reportagem especial: 

Inpe registrou 95% a mais de queimadas e incêndios florestais em setembro, no Amazonas

 

Notícias relacionadas

Comentários

  1. otoni mesquita disse:

    Amazonia , imensamente bela e exuberante, mas extremamente frágil perante os interesses em obtenção de grandes lucros imediatos . Preservar é a palavra de ordem. Olhar com maior atenção os discursos e ações apoiadas pelos argumentos da sustentabilidade quando vinculadas aos interesses globalizados.

  2. Já escrevi varia materias sobre o assunto. Os fatos evidenciam o total despreparo da populacao a um bom comportamento (a maioria dos filhos com pessimos habitos receberam o não receberam a devida educação dos país . A mesmo formuls se repete entre governante e cidadão comum.) O perigo é potem mais profundo. O perigo é a saude das criancas e dos idosos, os mais fracos, as pessoas já doentes que mal suportam e muito mais facilmente podem falecer. Como aparecem estatisticas sobre os andamentos das queimadas, em que ano, quantas cada ano, comentarios e reuniões a alto nivel das autoridades prepostas ( todas fotografadas olhando os mapas ou sentadas em medas redondas sem saber se tomaram decisões ou um cafezinho ), deveriam alto aparecer estatisticas sobre as fatalidades ocorridas com os moradores que vivem sofrendo esta praga. Fotografar um animal queimado é imagem forte mas fotografar figuras doentes a causa da fumaça são também deprimentes.
    Deixei de comentar o assunto turismo nao por não ser importante mas pensando que a prioridade perante a população inerme seja um fato intangível e de desenvolvimento civil. Infelizmente isto nao acontece. Resultado de um profundo fracasso politico.
    Voltando ao turismo. Precisam mais estatisticas neste sentido. Sugiro entregar um formulario para ser entregue a cada turista no aeroporto NA SAIDA, depois terminar o periodo amazonico sonhado a vida toda. Hoje estou aguardando a chegada de um franceses, depois ingleses e americanos e no final do mes um casal de pai e filho. Desde ja estou me sentindo pessimo anfitrião. Ou explicar a realidade, grande vergonha, ou assumir mentirinhas, outra vergonha, ou abrir uma discussao leal e isto é apavorante sendo eles que deverão duvulgar as sensações amazonicas ao redor do mundo. Provavelmente as autoridades prepostas ao turismo terão outra mesa redonda para discutir os motivos de tamanha queda de visitantes. Enquanto isto o IPAA estará multando um empreendimento de selva para ter utilizado madeira de firma illegal. Vergonha!!!!!

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »