Elvira Eliza França

Coronavírus: O que podemos aprender com um xamã da Amazônia? Parte 5: A força da cura

Por Elvira Eliza França Publicado em: 08/06/2020 às 22:00
Coronavírus: O que podemos aprender com um xamã da Amazônia? Parte 5: A força da cura
Elvira Eliza
Elvira Eliza França

Elvira Eliza França é mestre em Educação pela UNICAMP, pós-graduanda em Neurociência e Comportamento pela PUC (RS), especialista em Programação Neurolinguística pelo NLP Comprehensive dos EUA e graduada em Comunicação Social pela Universidade de Mogi das Cruzes (SP). É autora dos livros: “Crenças que promovem a saúde: mapas da intuição e da linguagem de curas não-convencionais em Manaus, Amazonas” editado pela Valer e Secretaria de Cultura e Turismo do Amazonas (2002); “Corporeidade, linguagem e consciência: escrita para a transformação interior” (1995), “Dimensões interiores da escrita: a voz da criança interior” (1993), “Do silêncio à palavra: uma proposta para o ensino da filosofia da educação” (1988) e “Filosofia da educacão: posse da palavra” (1984), publicados pela Editora Unijuí (RS).

1 Comentário

  1. Bom dia Elvira !
    Li a sua crônica recente sobre o COVID-19 e o xamanismo
    amazônico. O livro referido na crônica eu tenho ,mas ainda
    não li.
    Sua crônica nos remete ao tema da ignorância do “homem
    branco” que destrói tudo em nome do capital e da riqueza.
    A pós modernidade se caracteriza pela morte do sagrado
    e dos valores espirituais.
    Acho que isso é uma estrada sem volta ! Os esforços dos
    ambientalistas podem até diminuir essa corrida louca, mas
    não vai detê-la, uma vez que é apoiada por grandes empresas
    e por governos. Basta ver o que estamos fazendo com os
    mares e rios.
    Mas, vale a pena participar dessa guerra, desse combate,
    o bom combate (Bhagavad Gita).
    Parabéns pelo seu trabalho.
    Abraço,
    Tinoco

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.