Política

Filho de sertanista e um general do Exército têm os nomes indicados para chefia da Funai

Por Elaíze Farias Publicado em: 11/08/2016 às 19:40
Filho de sertanista e um general do Exército têm os nomes indicados para chefia da Funai
Elaize
Elaíze Farias

Cofundadora da Agência Amazônia Real e editora de conteúdo. Atuou como repórter na imprensa do Amazonas e especializou-se na produção de reportagens socioambientais na Amazônia com enfoque em povos indígenas e povos tradicionais, direitos territoriais, direitos humanos, impactos de grandes obras na natureza e nas populações amazônicas, entre outros assuntos. Possui Prêmio Imprensa Embratel, Prêmio Onça-Pintada de Jornalismo e Prêmio Fapeam de Jornalismo Científico. É jornalista formada pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ([email protected]/[email protected])

2 Comentários

  1. TARCISIO disse:

    Tratando-se de cargo de presidente da Funai, é de bom alvitre que tenhamos uma pessoa madura, qualificada, bem como seja maleável para lidar com questões indígenas que muitas vezes são espinhosas.O cargo de presidente sempre requer um quilate provido de proficiência politica, pois no dia-a-dia haverão reuniões envolvendo parlamentares, empresários e latifundiários no contexto da administração da Funai.
    Quanto aos posicionamentos divergentes das lideranças indígenas, é natural que pensem dessa forma, mas os Oficiais Generais da forças armadas , atualmente, sofreram polidez mais civilizadas ,assim como são mais providos de cognitivos, de modo que suas posições ortodoxas já não são mais as mesmas.
    Um General que tenha compromisso com as questões indígenas, a meu ver, seja bem-vindo.
    TARCISIO MOREIRA DE MESQUITA-FUNAI

  2. Rafael Falcão Vargas disse:

    Em todos os espaços da sociedade o Brasil estão conhecendo as novas forças armadas. Essa relação é um exemplo do que acontece em diversas oportunidades em que a comunidade tem acesso ao perfil qualificado, sério e sobretudo democrático das forças armadas. É por si só uma vitória alguém com descendência indígena próxima ter chegado ao cargo de general. Agora resta decidirmos se olharemos esses novos profissionais enxergando somente o passado da instituição ou se daremos oportunidade para conhecermos o militar que o Brasil produz hoje. Com certeza com defeitos, mas creio que constrói legitimidade cada vez maior. Independente da escolha, acho que o general merece ao menos ser avaliado antes de ser excluído simplesmente por ser militar.

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.