Povos Indígenas

Índios Juma, uma história de abandono e sobrevivência na Amazônia

Por Kátia Brasil Publicado em: 27/01/2015 às 19:05
Índios Juma, uma história de abandono e sobrevivência na Amazônia
Citações
“Minha mãe tinha muita preocupação em saber com quem a gente ia ficar. Não tinha homem Juma para casar com a gente. Ela pediu para o Rieli (Franciscato, indigenista da Funai que acompanhou os índios nos anos 90) para trazer outra etnia para casar com a gente aqui. Aí a gente foi para Porto Velho e juntamos com o Uru-eu”, disse Maitá Juma sobre os casamentos com os Uru-eu, que segunda ela,  foi sua mãe Mborehá que orientou antes de morrer em 1996.
Local de Cobertura
Kátia
Kátia Brasil

Kátia Brasil é jornalista formada pela Faculdade de Comunicação e Turismo Hélio Alonso, no Rio de Janeiro, em 1990. Tem experiência em jornal, rádio, e TV em pautas investigativas de política, economia, direitos humanos e meio ambiente. Em março de 1990 mudou-se para a Amazônia. Em Roraima trabalhou nos jornais O Estado de Roraima e A Gazeta de Roraima, TV Educativa, e no O Globo. No Amazonas, onde reside, trabalhou no Amazonas Em Tempo, TV Cultura, O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo Entre os prêmios que ganhou está o Esso de Jornalismo Região Norte com reportagem “Bandeira do Brasil Hasteada na Fronteira”, publicada pelo jornal A Gazeta de Roraima. É cofundadora e editora-executiva da agência Amazônia Real. (kat[email protected]/[email protected])

2 Comentários

  1. eduardo aguiar de almeida disse:

    Estive entre os Juma em 1975, como reporter do Jornal do Brasil. Acompanhava comitiva do então presidente da Funai, Gen. Ismarth Araújo por regiões da Amazônia onde o órgão não vinha atuando. Foi muito impactante. O JB, salvo engano, publicou uma matéria pequena, a partir do relato que enviei. Foi muito impactante para mim.

    • Amazônia Real disse:

      Obrigada, Eduardo Almeida. O senhor fez algum registro fotográfico da viagem?
      Conheceu quais indígenas? Abraços, Kátia Brasil.

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.