Philip M. Fearnside

Região Trans-Purus, a última floresta intacta: 2 – A ameaça do Ramal de Tapauá

Por Amazônia Real Publicado em: 31/08/2020 às 15:04
Região Trans-Purus, a última floresta intacta: 2 – A ameaça do Ramal de Tapauá
Amazonia
Amazônia Real

A agência de jornalismo independente e investigativo Amazônia Real é uma organização sem fins lucrativos, criada por jornalistas mulheres em 20 de outubro de 2013, em Manaus, no Amazonas, Norte do Brasil. Sua missão é fazer jornalismo ético e investigativo, pautado nas questões da Amazônia e de seu povo. A linha editorial é voltada à defesa da democratização da informação, da liberdade de expressão, da liberdade de imprensa e dos direitos humanos. ([email protected])

2 Comentários

  1. Alexandre Saboya disse:

    Não tenho conhecimento técnico algum
    .Mas está óbvio que o asfaltamento da 319 é apenas um motivo para desmatar e fazer com que a agricultura ocupe o lugar da floresta. Se desenvolver desta forma não é desenvolvimento. É dano permanente ao país. Esse tal “isolamento” serve de interesse a quem? O que vemos é garimpeiros ilegais destruindo matando e envenenando o povo amazonense isso sim. O que vemos debaixo do solo amazonense é areia, e acima um potencial científico enorme. Esse tipo de “desenvolvimento”, não passa de ganância sem limites. A amazonia é de interesse público e não apenas interesse de alguns. Transporte agrícola é pelo rio madeira , é óbvio. É incomparável o grau de eficiência deste modelo , apesar de existir assoreamento por garimpeiros. Ele modelo predador que praticamos na nossa agricultura tem que acabar. Procurem abelhas em algumas regiões de Rondonia. Não existem mais. A ganância as matou. Assim como matou algumas espécies que nunca conhecemos.

  2. Paulo Vieira disse:

    Com as perspectivas de asfaltamento da BR 319, começam as divulgações de trabalhos que têm por finalidade contribuir manter o isolamento pernicioso para o povo amazonense, principalmente os manauaras e roraimenses. Que sejam tomadas todas as providências para conter ilegalidades. Que tais ilegalidades não justifiquem o castigo do isolamento imposto aos amazonenses e amazônidas que aqui vivem. Todos sabemos que os balseiros oligopsônicos que usufruem do nosso isolamento festejam cada dia do nosso impedimento de ir e vir ao restante do Brasil por via terrestre.

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.