Colunas

As barragens do rio Madeira como espada de Dâmocles – 1: Mudanças nas enchentes

banner do phil
14/12/2015 17:07

PHILIP M. FEARNSIDE

 

O mito grego de Dâmocles pode ser utilizado para representar a situação de Porto Velho (população estimada de 502.748 em 2015). A capital do estado de Rondônia está localizada imediatamente abaixo da barragem de Santo Antônio, que bloqueou o rio Madeira em 2011. No mito grego, Dâmocles ocupava uma posição privilegiada, mas em troca dessa posição ele foi sentenciado pelos deuses a ter uma espada eternamente pendurada acima da cabeça, suspensa por um único fio de cabelo do rabo de um cavalo. Para Porto Velho, as barragens do rio Madeira representam um risco semelhante.

Os vertedouros das barragens de Jirau e Santo Antônio foram projetados com base no registro histórico dos níveis de enchente, dessa forma, as estruturas dos vertedouros permitiriam a passagem de um volume de água esperado na maior enchente que é esperada a cada 10.000 anos (FURNAS et al., 2006, Vol. 2, p. IV-48). É bom lembrar que o alto nível da água no rio abaixo da usina de Santo Antônio no pico da enchente recorde de 2014 reduziu a diferença entre os níveis da água acima e abaixo da barragem até o ponto que as turbinas não podiam funcionar, obrigando a empresa a passar todo o caudal do rio através do vertedouro [1]. Mesmo sem as águas de uma inundação excepcional, o fechamento forçado de turbinas pode causar um aumento súbito do nível de água no reservatório, como ocorreu em um incidente na usina de Jirau em julho de 2015 quando a conexão para a linha de transmissão foi interrompida inesperadamente [2].

A usina de Jirau foi obrigada a ter um vertedouro com capacidade para 82.587 m3/segundo (ANA Resolução 555 de 19 de dezembro de 2006, Art. 2), isso corresponde à inundação instantânea máxima esperada para ocorrer uma vez em 10.000 anos ([3], Vol. 2, p. IV-48). O fluxo correspondente para Santo Antônio é de 83.952 m3/segundo ([3], Vol. 2, p. IV-139). O projeto do vertedouro para cada barragem foi baseado no registro histórico dos níveis de inundação.

No entanto, a enorme enchente do rio Madeira de 2014 mostrou que o registro histórico de inundações já não representa o clima atual, muito menos o que é esperado para o futuro com as mudanças climáticas [4-5].

O aumento da temperatura média global ainda não passa de 1°C desde o início da revolução industrial em 1750 e, mesmo que todas as negociações sob a Convenção de Clima fossem dar certo, chegaria ao dobro disso até 2100 – e o relógio não para em 2010. Aumentos várias vezes maiores são possíveis antes que as cargas atmosféricas de gases de efeito estufa pudessem ser rebaixadas, sobretudo considerando as emissões a partir de estoques “naturais” de carbono que seriam liberadas pelo próprio aquecimento global (e.g., [6], p. 89)[7].

 

NOTAS

[1] Agência Amazônia Real. 2014. Consórcio confirma parada total de 17 turbinas de Santo Antônio. 27 de fevereiro de 2014. http://amazoniareal.com.br/consorcio-confirma-parada-total-de-17-turbinas-de-santo-antonio/  [27/02/2014 17:53]

[2] Rondoniagora. 2015. Vazamento do vertedouro em Jirau causa pânico em trabalhadores. Rondoniagora, 10 de julho de 2015. http://www.rondoniagora.com/noticias/vazamento+do+vertedouro+em+jirau+causa+panico+em+trabalhadores+2015-07-10.htm

[3] FURNAS (Furnas Centrais Elétricas S.A.), CNO (Construtora Noberto Odebrecht S.A.) & Leme Engenharia. 2006. EIA- Estudo de Impacto Ambiental: Aproveitamentos Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, Rio Madeira-RO. Tomo E. Complementação e Adequação às Solicitações do IBAMA. Atendimento ao Ofício No. 135/2006 de 24/02/06. 6315-RT-G90-002. FURNAS, CNO, Leme Engenharia, Rio de Janeiro, RJ. 3 Vols. http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/Dossie/Mad/BARRAGENS%20DO%20RIO%20MADEIRA.htm

[4] Fearnside, P.M. 2014. As barragens e as inundações no rio Madeira. Ciência Hoje 53(314): 56-57.

[5]Vauchel, P. 2014. Estudio de la crecida 2014 en la cuenca del rio Madera. Observatoire de Recherche en Environnement – Control Geodinámico, Hidrológico y Bioquímico de la Erosión/Alteración y las Transferencias de Materia en la Cuenca del Amazonas (ORE-HyBAm), Institut de Recherche pour le Développment (IRD), La Paz, Bolívia. 25 p. http://www.ore-hybam.org/index.php/esl/content/download/17209/89238/file/Estudio_0de_la_crecida_2014_en_la_cuenca_del_rio_Madera.pdf

[6] Stocker, T.F. & 66 outros. 2013. Technical summary. p. 31-115 In: Stocker, T.F., Qin, D., Plattner, G.-K., Tignor, M., Allen, S.K., Boschung, J., Nauels, A., Yu Xia, Bex, V & Midgley, P.M. (Eds.). Climate Change 2013: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the IPCC Fifth Assessment Report. Cambridge University Press, Cambridge, UK. http://www.ipcc.ch/report/ar5/wg1/

[7] As pesquisas do autor são financiadas pelo Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) (proc. 304020/2010-9; 573810/2008-7), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) (proc. 708565) e pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) (PRJ1).

 

Leia também a última série:

O crédito de carbono da barragem de Santo Antônio: 14 – O significado global de Santo Antônio

 

Philip M. Fearnside fez doutorado no Departamento de Ecologia e Biologia Evolucionária da Universidade de Michigan (EUA) e é pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), em Manaus (AM), desde 1978. Membro da Academia Brasileira de Ciências, também coordena o INCT (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia) dos Serviços Ambientais da Amazônia. Recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), em 2007. Tem mais de 500 publicações científicas e mais de 200 textos de divulgação de sua autoria que estão disponíveis neste link.

 

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »