Meio Ambiente

Pesquisadores criticam presença de onça Juma na cerimônia olímpica

22/06/2016 01:32
A fotografia acima mostra pesquisadores do Instituto Mamirauá fazendo o monitoramento de uma onça (Foto: Amanda Lelis)

A morte da onça-pintada Juma repercutiu no meio científico do Amazonas. Pesquisadores questionam se foi necessário matar o animal com um tiro de pistola. Outra crítica é para a exposição das onças em eventos públicos, como foi no Revezamento da Tocha Olímpica Rio 2016, em Manaus.

A bióloga e ecóloga Dayse Campista, representante na região Norte da Sociedade de Zoologia e Aquário no Brasil, defende que exposições de animais ocorram somente na parte interna do zoológico como uma forma de promover educação ambiental aos visitantes, sem expô-los em eventos fora do recinto. Segundo ela, a exposição pode deixar os animais agitados e estressados, “por mais acostumados que estejam com a presença humana”.

Dayse lamentou que o Zoológico do CIGS não seja filiado à Sociedade de Zoologia e Aquário do Brasil, o que tornaria a atividade da instituição mais transparente.

“Antes, todos os zoológicos deveriam ser filiados, hoje não é mais preciso. Mas zoológicos sérios, que querem ter código de ética, têm que ser filiados”, afirmou Dayse Campista, que foi durante vários anos gerente do zoológico do Tropical Hotel.

O veterinário e especialista em fauna silvestre Diogo Lagroteria considera que as atividades que o Exército realiza com as onças vão “na contramão do mundo moderno”, que cada vez mais discute sobre ética e bem-estar animal.

“O CIGS tem ótimos profissionais no seu quadro técnico e desenvolve projetos importantes de educação ambiental e conservação. Está na hora de abandonar essas práticas antiquadas, onde os animais são usados como itens de festa”, afirmou.

Ele diz que usar animais em espetáculos é cada vez mais condenável mundo afora. Contraria, segundo o veterinário, a própria Declaração Universal dos Direitos Animais, que diz que “as exibições de animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal”.

“Além disso, também é um baita de um mau exemplo. Ver um animal acorrentado, estressado e fora de seu ambiente natural passa a ser comum para a maioria das pessoas, mas não deveria ser. Os animais devem ser vistos, preferencialmente, na natureza. Mas se estão em cativeiro, eles devem ter garantido, pelo menos, um ambiente seguro, agradável, limpo e que cumpra as necessidades de cada animal. Recintos ornamentados, espaçosos e animais livres. Correntes são coisas da antiguidade”, analisa ele.

Ele também observou a questão da segurança, ameaçada quando o animal fica estressado. “O estresse sempre traz mudanças de comportamento. Não dá para ter certeza sobre como o animal irá se comportar em situações assim. A presença de pessoas, ruídos, cheiros, movimento, flashes, e tudo mais, acarreta em desgaste psicológico ao animal. A chance de um problema acontecer é grande. E uma hora acontece”, disse.

Tiro foi correto

Uma onça em seu habitat natural na Reserva Mamirauá (Amanda Lelis)

Uma onça em seu habitat natural na Reserva Mamirauá (Amanda Lelis)

Para o veterinário Augusto Kluczkovski, que trabalhou entre 1997 e 2003 no Zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), trata-se de uma decisão difícil, mas correta.

Ele disse que na década de 90, quando o zoológico do CIGS era menor e tinha uma estrutura precária, houve mortes de animais pelo mesmo motivo (ataques). O veterinário não lembra de algum outro momento semelhante às circunstâncias da morte de Juma ter ocorrido desde então.

“Foi certo o desfecho. O erro foi a decisão tomada da onça participar do evento. Isso é muito polêmico porque o camarada nessa hora tem que tomar a decisão entre a vida do animal e da pessoa. É uma decisão absurdamente difícil de tomar. O problema maior é que se você optar pela vida do animal criminalmente vai responder por homicídio”, disse.

Depois de ser informado que a onça Juma estava sobre os cuidados do 1º BIS e não do CIGS, Kluczkovski teve outra conclusão. Segundo ele, Juma foi levado para um “território hostil” (no caso, o CIGS), cheio de outras onças que se toleram, mas que são onças solitárias na maior parte do tempo. “Ele foi levado para um território estressante em um evento estressante. Uma coisa é uma onça do BIS ir em uma formatura do CMA. Outra bem diferente é entrar num território do CIGS, com urina de outras onças”, disse.

Para Kluczkovski, há dois caminhos que o Exército pode seguir diante do desfecho e da repercussão negativa após a morte de Juma. “A forma correta é não optar pela domesticação e pela apresentação (em eventos). Não vai envolver nem fazer nada com a onça. O animal vai ficar dentro do recinto, manejado da forma adequada. Mas se optar em ter o animal em desfile, que se reproduza em cativeiro e tenha a licença pra isso, e que tenha um nível de segurança adequada”, afirmou.

Sobre a reação da onça Juma pouco antes de levar o tiro, o veterinário conjectura com base em sua experiência. “É uma conjunção de fatores. Temperamento da onça, que eu não sei como era a que morreu, se era mais arredio. Muitos bichos são acostumados com outros eventos: desfile, formatura. Mas no evento da tocha havia helicóptero, um monte de gente correndo, gente estranha, muito barulho. Isso gerou um estresse no animal”, disse.

Ele disse ainda que até mesmo o medicamento pode ter influenciado. Conforme Kluczkovski, antes da sedação, há uma fase de excitação do animal que o deixa agressivo.

“O tranquilizante usado aqui demora um tempo até fazer efeito. De cinco a 15 minutos ou mais. Nesse tempo de trabalho é difícil para controlar bicho. Tem que ter uma contenção física, que é difícil para fazer com uma onça mascote. Isso se equipe for boa, tiver coragem e destreza para fazer isso. Até um pouco de loucura, pois você vai botar sua vida em risco. Então, a única chance de tirar o animal vivo dali seria fazer uma contensão física com uma rede e aí sim aplicar sedativo e conter o animal bem preso durante todo esse tempo entre a injeção e ele ser tombado. Sem isso o animal se sente ameaçado, está em combate, ele vai uma briga violenta”, afirmou.

O pesquisador Emiliano Esterci Ramalho, coordenador do projeto Yauaretê, que conduz pesquisas sobre onça-pintada há mais de dez anos pelo Instituto Mamirauá, na região de Tefé, elogiou o trabalho do Exército em seu papel de receber animais silvestres que foram resgatados. Mas ele defende que algumas situações envolvendo as onças precisam ser rediscutidas.

“Você coloca um animal que evoluiu para não ser visto, numa situação que ele tem que ser dominado, onde tem centenas de pessoas ao redor dela. Não tem como falar que não é uma situação de estresse para ele”, disse.

Ele também questionou a experiência de controle e captura da onça no momento da fuga. “Acho muito difícil que a equipe do Exército que participou do procedimento tenha experiência de captura de onças-pintadas soltas. Para fazer contenção, provavelmente tem algum veterinário no Exército com experiência. Mas que eu conheça no Brasil com esta experiência são apenas 20 pessoas para capturar onça em vida livre”, afirmou.

Ramalho afirma que é preciso reunir pessoas que trabalham com a espécie e discutir todos as ações à onça em cativeiro. “É preciso reunir os órgãos competentes. Ipaam, Ibama, ICMBio (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos), pesquisadores e o Exército analisar o procedimento e evitar que novos incidentes trágicos como esse aconteçam”.

Em decorrência da Lei Complementar 140/2011, a gestão de fauna passou a ser atribuição dos Estados. No Amazonas, a gestão de fauna em cativeiro (criadouros comerciais, zoológicos, mantenedores de fauna, etc) é exercida pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam).

O superintendente do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) no Amazonas, Mário Reis, afirmou que o zoológico  e o plantel do CIGS em quase sua totalidade foi estabelecido quando o Ibama geria a fauna em cativeiro.

“Os animais em ambientes de cativeiro autorizados por órgão ambiental não são capturados na natureza com objetivo de compor os plantéis. Pelo contrário, esses espaços prestam serviços ambientais ao receberem animais que não têm condições de retornar ao seu habitat (de onde nunca deveriam ter saído)”, disse Reis.

A repercussão do caso Juma nas redes sociais

Uma onça-pintada em seu habitat natural na Reserva Mamirauá (Foto: Amanda Lelis)

Uma onça-pintada em seu habitat natural na Reserva Mamirauá (Foto: Amanda Lelis)

O Comitê Olímpico Rio 2016 emitiu notas na tarde desta terça-feira (20) em sua página no Facebook na qual reconhece que errou ao expor a onça Juma durante a passagem da Tocha Olímpica por Manaus. Segundo os organizadores, foi um equívoco explorar a imagem do animal acorrentado ao lado do símbolo dos Jogos; o comitê também pediu desculpas pelo ocorrido.

O pedido de desculpas, contudo, não foi suficiente para amenizar as críticas dos internautas pela morte da onça Juma. O assunto está entre os mais comentados nas redes sociais no país, tendo repercussão internacional. A #juma esteve no topo dos mais comentados no Twitter. Até o início da noite desta terça (21/06), mais de 10 mil twittes comentavam o assunto, sendo a grande maioria com críticas ao Exército e ao Comitê Rio-2016.

“Tarde demais para pedir desculpas”, escreveu um dos seguidores da página do Rio 2016 no Facebook. “A onça podia ser morta, ela só não podia ter estado perto da tocha olímpica”, completou outro.

Em Manaus, o caso ganhou repercussão e será alvo de protesto marcado para o próximo sábado (25). A ONG Proteção, Adoção e Tratamento Animal (Pata) organiza manifestação em frente ao Comando Militar da Amazônia, no bairro da Ponta Negra, zona oeste da capital. A organização criou a #somostodosjuma. (Com reportagem de Fábio Pontes)

Leia também:

Exército tenta minimizar morte do “animalzinho” Juma

Notícias relacionadas

Comentários

  1. “JUMA, É UM REFLEXO DE UM CRIME MAIOR.
    O E.B. (EXERCITO BRASILEIRO), CMA (COMANDO MILITAR DA AMAZÔNIA), E O CIGS (CENTRO DE INSTRUÇÃO DE GUERRA NA SELVA) NÃO ESTÃO ACIMA DA LEI.

    O IPAAM (INSTITUTO “PROTEÇÃO” AMBIENTAL DA AMAZÔNIA), INÓCUO, VAZIO, INSÍPIDO E DESPROVIDO DURANTE ESTE EPISÓDIO.

    E TODOS ELES SÃO OS RESPONSÁVEIS SIM, POR OFUSCAR A ATUAÇÃO DO IBAMA EM TERRITÓRIO NACIONAL QUE TEM O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL, EXECUTANDO AÇÕES DE MEIO AMBIENTE QUE FAZEM PARTE DAS POLÍTICAS NACIONAIS.

    NOSSA HISTÓRIA MILITAR BRASILEIRA ESTA ABARROTADA COM EXEMPLO DE IMBECILIDADES COM OFICIAIS DE ALTA PATENTE NO SÉCULO PASSADO, MAS AGORA INSISTIR COM AUTORITARISMO DE “ALGUNS” MILITARES QUE PERSISTEM EM TRAZER FILHOTES DE FORA, SOB AS MAIS ADVERSAS CONDIÇÕES (i)LEGAIS), É UM COMPLETO DESPROPÓSITO, ALÉM DE FAVORECER DE DIFERENTE MANEIRAS A PRÁTICA DE CRIMES AMBIENTAIS.

    ESTES CRIMES TEM DE PARAR, O EXERCITO BRASILEIRO NÃO ESTA ACIMA DAS LEIS BRASILEIRAS E NEM A ACIMA DA SOBERANIA NACIONAL.

    “JUMA” É UMA PROVA CABAL DA INCAPACIDADE PELO PLANEJAMENTO, DIRETRIZES, OBJETIVO, EXECUÇÃO E GESTÃO QUE CULMINOU COM O EXTERMÍNIO DE JUMA E DE TANTOS OUTROS BEM COMO OS QUE ESTÃO POR VIR.

    A AÇÃO FOI “AMADORA EM TODOS OS MOMENTOS DO FIM DE “JUMA”, VEJAM:- * Segundo o CMA, o animal foi morto porque deslocou-se na direção de um militar. O nome do militar não foi divulgado. “Ele estava na equipe que tentou resgatar a onça-pintada em uma área de floresta do zoológico”, disse o comando em nota à imprensa.

    _”O ANIMAL FOI MORTO PORQUE SE DESLOCOU NA DIREÇÃO DE UM MILITAR* – * EM UMA ÁREA DE FLORESTA DO ZOOLÓGICO* ”

    _VAMOS AOS FATOS; APÓS ESCAPAR, JUMA ESTA EM UMA FLORESTA E NESTE CASO POUCO IMPORTA SE A FLORESTA É DO ZOOLÓGICO, ENTÃO ESTAMOS NO HABITAT DE JUMA, QUE PERCEBE A INVASÃO DE SEU TERRITÓRIO PELA EQUIPE QUE DEVERIA CAPTURA-LA COM VIDA, QUE INVADE O SEU “PERÍMETRO” OU SEJA ESTA NA SUA ÁREA. _AI PERGUNTO QUAL O PLANEJAMENTO, DIRETRIZ, OBJETIVO E FORMAS DE EXECUTAR ESTA CAPTURA? _NÃO EXISTIU NADA DISSO PORQUE NUNCA SE PREPARARAM DESTA MANEIRA. OS FATOS MOSTRAM POR SÍ O QUE DE FATO TINHAM EM RECURSO OU SEJA UMA BALA NA CABEÇA DE JUMA.

    _ENTÃO QUEM FOI EM DIREÇÃO DE QUEM? RESPOSTA: O MILITAR DESQUALIFICADO PARA ESTA OPERAÇÃO JÁ QUE O HABITAT, O AMBIENTE EM QUESTÃO PERTENCIA A “JUMA”.

    _REPITO ISSO TEM QUE PARAR O EXÉRCITO BRASILEIRO NÃO ESTA ACIMA DA LEI E NEM ACIMA DA SOBERANIA NACIONAL.

    “JUMA” PROVOU PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA COM O SEU EXTERMÍNIO O QUANTO O EXERCITO BRASILEIRO É AMADOR NESTA REALIDADE.

    Ass:Fernando Barros Leite.192441747

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »