Povos Indígenas

Etnia juma foi massacrada por comerciantes de seringais

20/10/2013 20:30

A etnia juma pertence à família linguística tupi-guarani e ao subgrupo Kagwahiva, que inclui também os uru-eu-wau-wau, segundo a Funai.

Os juma foram identificados na bacia do médio rio Purus, no Amazonas, por jesuítas espanhóis no século 19. Eles seriam cerca de 15 mil pessoas. A história desse povo é ilustrada por guerras para expulsar os seringalistas e comerciantes de castanhas da terra indígena em Canutama (AM).

Conforme estudo do antropólogo Gunter Kroemer (1939-2009), que conviveu com os jumas nas décadas de 80 e 90 pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário), após sucessivos massacres esses índios foram reduzidos a cem pessoas, em 1943.
Em 1978, segundo estudo de Kroemer, um seringalista foi denunciado na Justiça pelas mortes de 80% da população de índios.

O indigenista Adolpho Kilian Kesselring, que coordenou ações de atendimento a etnia pela Funai, afirma em 1994 os jumas eram apenas sete pessoas: o guerreiro Aruká, sua mulher Mariná (que depois passou a ser chamada de Mborehá), as filhas adolescentes Borehá e Maitá, e a menina Mandei, além dos tios idosos, o tuxaua Marimã, e sua mulher Inté.  Mariná morreu antes de 1998.

O guerreiro Aruká Juma com a tia Inté na aldeia original, em 1994. Foto: Adolpho Kilian Kesselring.

O guerreiro Karé Juma com a tia Inté na aldeia original, em 1993. Foto: Adolpho Kilian Kesselring.

De acordo com a Funai, um aspecto da cultura dos tupi-kagwahiva é que eles trocam os nomes conformem passam por determinadas fases da vida. A troca de nomes acontece em cerimônias com cânticos e conduzidas pelos mais velhos. Em 1993, Aruká era chamado de Iduka, Borehá de Guaraí, Maitá de Tohati e Mandei de Pitangui. “Quando uma menina tem a menarca, ela muda o nome. Quando um guerreiro mata um inimigo, ele muda o nome, e assim por diante”, diz a Funai.

A terra indígena Juma, com 38.700 hectares, está demarcada, mas continua sendo alvo de invasões de exploradores dos recursos naturais da reserva, que é cortada pela estrada Transamazônica (BR-230).

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »