Barbara Arisi

Os Magníficos Korubo: um estúdio de Sebastião Salgado na selva amazônica

Por Barbara Arisi Publicado em: 18/01/2018 às 16:34
Os Magníficos Korubo: um estúdio de Sebastião Salgado na selva amazônica
Barbara
Barbara Arisi

É jornalista formada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) e antropóloga com mestrado e doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Como repórter trabalhou no jornal Zero Hora. Fez estágio doutoral como antropóloga pela Universidade de Oxford, no Reino Unido. Nasceu em Porto Alegre (RS) e morou em Foz do Iguaçu (PR), Florianópolis (SC), São Paulo (SP) e Manaus (AM), Amsterdam, Maastricht e Hoorn (Holanda) e em Londres, no Reino Unido. É professora concursada pela Universidade Federal da Integração-Latino Americana, em Foz do Iguaçu (PR). É também pesquisadora visitante na Vrije Universiteit Amsterdam, onde estuda manejo de resíduos sólidos (plásticos e orgânicos). Atualmente mora com a filha em Hoorn. No Brasil, trabalhou na campanha do Greenpeace Amazônia pela criação da Reserva Extrativista de Porto de Moz e da Verde para Sempre, no Pará, em 2003. Há 14 anos faz pesquisas na Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas, sendo que em 2006 e 2009 recebeu financiamento da Capes e do CNPq. Em 2011, produziu um diagnóstico sobre saúde no Vale do Javari para o Instituto Socioambiental (ISA) e o Centro de Trabalho Indigenista (CTI).

1 Comentário

  1. Avatar Denis disse:

    Nao quero fazer de advogado de diabo, mas há algum contexto do ser humano no sec. XXI que não deve ser olhada por vários ângulos e deve se ter cuidado muita cautela na interpretação do por trás? Acho que há tempos as coisas não são fácies e simplesmente preto no branco como nas fotos de Sebastião Salgado. Se formos levar todo o contexto de cada situação simplesmente não sairemos do lugar.

Deixe o seu comentário!

Prezados leitores e leitoras da Amazônia Real, o espaço de comentário do site é para sugestões, elogios, observações e críticas. É um espaço democrático e de livre acesso. No entanto, a Amazônia Real se reserva o direito de não aprovar comentários de conteúdo preconceituoso, racista, sexista, homofóbico, com discurso de ódio e nem com links de outros sites. Muito obrigada.