Governo Temer nomeia pastor a presidente da Funai e inclui um general do Exército na equipe, ambos do PSC

| 12/01/2017 às 20:56

RELACIONADAS

 

Comentários

  1. Jaime disse:

    Que delícia! Provavelmente vão exibir nas escolas mais videos da Jocum com mais encenações falsas de índios enterrando crianças, quem sabe assim a população acaba de assassinar os nativos por preconceito com base nas mentiras dos evangélicos. Aposto que o governo e sua bancada do boi adorariam ter menos obstáculos na sua loucura por lucro. Aliás, vivemos no país dos pastores fazendeiros. Faz muito sentido. Fui voluntário numa aldeia Pataxó e JAMAIS vou perdoar essa sociedade “de deus” imunda (de um deus carniceiro e igualmente imundo que existe em suas cabeças egocentradas) por ter incendiado vivo em Brasília o pobre índio Galdino. Os infelizes estão aí, livres e gozando de privilégios sociais. Diante de notícias assim, me lembro de O Grande Ditador, do Chaplin, onde “Hynkel” diz que não há nenhum cidadão insatisfeito em seu governo – pois ele manda matar todos. É exatamente essa a vontade íntima do teísmo: morte e desgraça aos que não se se submetem ao que eles querem, cada um com uma sanha mais violenta em sua subjetividade ressentida (invariavelmente travestida de vitimismo), que é o que dá lugar à invenção da ilusão que chamam de deus. Extermínio de quem tocar em mim ou me contrariar de qualquer forma. Foi desde o começo e continua sendo. Eu tenho NOJO. Até agora não me incomodei tanto com as loucuras desse governo, mas não dá pra olhar de soslaio pra algo assim. Revoltante.

    • Abelmon Bastos disse:

      Oi. Boa tarde, Jaime!

      Você está falando sobre o filme “Hakani”? Sabia que ele foi baseado em depoimentos de indígenas que ajudaram a escrever o roteiro? Produzido por pessoas q ouviram o relato e não se calaram?

      Talvez você não saiba, mas há muitas missões evangélicas (inclusive formada por indígenas) q desejam o bem dos povos indígenas, porém há partes da cultura q precisam de outro olhar. Se o infanticídio ocorre, ele deve deixar de ocorrer. No mais, devemos honrar, respeitar e amar os indígenas.

      Fiquei curioso sobre o seu trabalho entre os Pataxós. Queria saber em q área vc os ajudou e em qual aldeia? Se você não concorda em impôr uma crença aos outros, porque você quer impôr a sua (des)crença? Penso eu que trabalho pelo bem comum, pela justiça, pelo amor e por altos ideias. Se você também pensa assim, ótimo. Cada um cuide de sua missão e faça a boa diferença no mundo ao invés de denegrir o outro sem conhecê-lo.

      O mais importante não é o q vc fala, mas o q vc faz. O presente é mais importante do q o passado.

  2. Geralda Chaves Soares disse:

    Com este governo empurrado guela abixo do povo,não ha como fazer negociações.Vão aacabr instalando um Estado com pastores,latfundiarios,militares.Vão dar cargos para contentar a sanha de uns de outros.As aldeias vão ser assediadas pelos fundamentalistas(alias já estão)que favorecem a discriminação dos pajés,dos costumes tradicionais,em troca do subterfugio da salvação de suas almas atraves sua conversão a religião cristã.Nada contra a religião cristã,ou qualquer outra religião.Os indigenas porem tem sua cosmovisão,tem sua forma de culto,de crença,de sagrado.E seu espaço sagrado vai pelos ares,Porque esta estrutura toda é para violentar o direito a um territorio,direito originario,porque estes povos são os donos originarios deste país.,das Américas,roubados com a colonização,com a MESTIÇAGEM,Com a CONVERSÂO.Podemos esperar mais hidrelétricas ,mais mineração,mais desmatamento em nome da ordem do progresso e da civilização.Fica aqui meu protesto por mais esta violencia.Tenho mais de 30 anos de apoio solidário aos povos indigenas,Cada dia vejo o que a sociedade constroi ou destroi em nome do desenvolvimento.estragam a Mãe Terra…que dia este governo começara a pensar que só temos este lugar para viver e que todos sofreremos as consequencias do que fizerem com os indigenas?Eles são os guradiães de nosssas fronteiras,são eles que conservam e protegem o meio ambiente,que gritam quando fazem o que fizeram no Xingu,em Altamira,que morreram nos massacres genocidas da ditadura,como os waimiri-Atroari..Que sofrem hoje como os Krenak em MG com a morte Do Rio Doce.Eu me sinto muito triste com esta situação e vejo que nos tres poderes não temos força para barra estas atrocidades.Só resta o protesto?

  3. Marcelo make matis disse:

    Vereador (PSDB) Marcelo make matis , apoiadora de Sebastião Manchineri para a presidência da Funai, temos pessoas pronto para presidi funai ,que o movimento indígena não está quieto e vai responder e reagir a qualquer tentativa de ataque aos seus direitos.

    “Ano passado fizemos mobilizações. O Ocupa Funai. O Ocupa Sesai. Vamos lutar sempre. A gente não está para brincadeira. Se conversando não está resolvendo, vamos partir para ações mais concretas. Estamos sempre de prontidão. Quando menos esperarem, a gente ataca, vamos partir para a guerra. O governo não sabe do que somos capazes.
    Sebastião Manchineri não foi escolhido porque ele não “baixaria a cabeça” aos interesses anti-indígenas. “Eles [governo] não querem uma Funai fortalecida, mas uma Funai marionete dos interesses contrários aos nossos. O Sabá não iria permitir isso, pois está tendo apoio do movimento indígenas todos Brasil!

Deixe seu comentário

Leitores e leitoras, seus comentários são importantes para o debate livre e democrático sobre os temas publicados na agência Amazônia Real. Comunicamos, contudo, que as opiniões são de responsabilidade de vocês. Há moderação e não serão aprovados comentários com links externos ao site, ofensas pessoais, preconceituosas e racistas. Agradecemos.

Translate »